Mundo Husqvarna

Jardinando - Jardinagem
Publicado em 16 de outubro de 2015

10 dicas para fazer e manter um jardim vertical

Cultivar um jardim vertical exige alguns cuidados específicos, principalmente quando se trata da irrigação e da adubação

por Rosalba da Matta Machado

Os jardins verticais estão em moda! Seja em uma elegante fachada de edifício parisiense, seja em um estreito corredor de uma casa, eles transformam a aridez da alvenaria em um oásis verde. Ficam perfeitos em ambientes com pouco espaço e naqueles onde os altos muros predominam.

 

Um jardim vertical pode ser definido como uma estrutura disposta verticalmente ao longo da parede, composta de nichos para colocação de terra e plantas. Essa estrutura pode ser de aço corten, aço inox, ferro, concreto, cerâmica, plástico, fibra de vidro, fibra de coco, madeira, entre outros. Alguns exemplos de jardim vertical:

 

– Prateleiras com vasos;

 

– Treliças para as plantas se fixarem ou para acoplamento de vasos;

 

– Quadros com plantas;

 

– Sistemas compostos de uma armação parafusada na alvenaria (parede ou muro) com contêineres de floreiras e sistema de irrigação com controlador automático.

 

No último exemplo, devido à alta densidade das plantas, estes jardins verticais são denominados paredes verdes. Já em treliças e muros, usam-se trepadeiras. Algumas possuem seus próprios artifícios para se fixarem, outras precisam ser conduzidas para cima por meio de cordoalha ou arame.

 

Atente para essas 10 dicas:

 

1. Valor que pretende investir: esta etapa inicial definirá qual dos tipos de jardim vertical está dentro do seu orçamento. Os de custo mais elevado são aqueles com estruturas para fixar na parede e sistema de irrigação. Neste caso, o material cerâmico costuma ser o mais caro. Treliças de parede com vasos de fibra de coco ficam bem mais em conta.

 

2. Local onde será instalado: observar se a parede que irá receber a estrutura suporta o peso; se há risco de infiltração; e qual material é mais adequado, considerando a umidade e a insolação.

 

3. Espécies vegetais: as plantas escolhidas para o jardim vertical devem ser, antes de tudo, adequadas ao ambiente onde serão colocadas. Aquelas com raízes densas e agressivas devem ser descartadas. Em paredes verticais, plantas pendentes proporcionam um efeito final mais bonito. Deve-se também atentar para o contrates de cores. Usar plantas com tons de verde, cinza e vermelho proporcionam um efeito visual deslumbrante.

 

4. Irrigação: a demanda hídrica das plantas que estão em recipientes pequenos, com pouca quantidade de terra, é alta. Se o jardim vertical estiver no Sol, esta necessidade aumenta ainda mais. Se for possível, ter um sistema de irrigação, pois ele facilitará muito os cuidados com o jardim.

 

5. Drenagem: o solo deverá ser leve e permeável. Argila expandida é excelente opção para ser usada como material drenante.

 

6. Adubação: como a terra não é farta nos vasos, a adubação deverá ser mais frequente. Além disso, a irrigação ajuda na lixiviação (perda) dos nutrientes. Portanto, ficar atento aos sintomas de deficiência nutricional ajuda a não deixar o jardim definhar. A adubação foliar é interessante para plantas de jardins verticais. Neste tipo de adubação, o adubo é dissolvido na água e pulverizado nas folhas. Quando existem sistemas de irrigação, e esses são resistentes aos elementos químicos, pode ser usada, também, a fertirrigação, com a qual, por meio da água, os nutrientes são levados ao solo. É rápido e eficiente.

 

7. Manutenção: a exigência de cuidados depende do tipo da planta, tamanho do vaso, local escolhido e tipo de jardim vertical. Se a ideia é ter baixa manutenção, suculentas podem ser uma boa opção.

 

8. Plantas para jardins verticais ao Sol: temperos como alecrim (Rosmarinus officinalis), manjericão (Ocimum pisolum), pimenta (Capsicum) e sálvia (Salvia officinalis). Suculentas de um modo geral.

 

9. Plantas pendentes para locais ao Sol: aspargo-pendente (Asparagus densiflorus var. sprengeri), gota-de-orvalho (Evolvulu pusilus), trapoeraba-roxa (Tradescantia zebrina var. purpusii), rosário (Senecio rowleyanus), barléria (Barleria repens) e barba-de-serpente (Liriopes muscari ‘variegata’).

 

10. Plantas pendentes para locais a meia sombra: dinheiro-em-penca (Callisia repens), peperômia (Peperomia sandens), dicondra (Dichondra microcalyx), samambaia-americana (Nephrolepis exaltatum), hera-inglesa (Hedera helix), peixinho (Nematanthus radicans) e flor-batom (Aeschynanthus lobianus).

 

Independentemente do tipo escolhido, é importante observar os pontos acima listados na hora de fazer e de manter o jardim vertical. Será gratificante o resultado!

 

*Rosalba da Matta Machado é formada em Engenharia Agronômica pela Universidade de Brasília e possui especialização na área de paisagismo. Com expertise de mais de 15 anos no mercado, já atuou em vários estados brasileiros em projetos de jardins para áreas residenciais, rurais comerciais e governamentais.

Informe os dados abaixo para finalizar o seu cadastro

Campos com (*) são obrigatórios

Obrigado pelo seu cadastro!

Agora aproveite e confira os nossos conteúdos.